sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Outubro Rosa


A Campanha Outubro Rosa não cura, mas faz você correr para PREVENIR a mama do câncer.
Seja esperta, a PREVENÇÃO lhe dá mais SAÚDE!

Ossos frágeis



O QUE É?
>> A OSTEOPOROSE modifica a estrutura do osso, deixando-o mais oco e suscetível a fraturas. 


>> É caracterizada pela diminuição da massa óssea, levando a um estado de fragilidade dos ossos.

SINTOMAS
>> A doença raramente se manifesta 
antes que aconteça uma fratura, 
que é sua maior complicação.

DIAGNÓSTICO
>> O exame mais difundido é o de densitometria óssea; 75% dos diagnósticos são realizados 
após a primeira fratura.

>>  As fraturas podem ser evitadas desde 
que o diagnóstico seja precoce.

>> 10 milhões de brasileiros são 
afetados pela doença




Mitos sobre a doença
"É doença de velho"
É mais comum após a menopausa ou em homens acima de 60 anos, mas pode eventualmente acometer crianças e adolescentes.

"Quem tem a doença não pode fazer exercícios"
A prática de exercícios ajuda a prevenir e tratar a doença. Recomenda-se evitar atividades físicas de impacto.


"Não há tratamento para a doença"
Há vários tratamentos disponíveis no momento.

"A pessoa tem de ficar em repouso constante"
Ao contrário! Repouso excessivo estimula a perda de massa óssea.

"Bebo bastante leite, por isso estou livre da doença"
Tomar leite não garante que você não terá osteoporose. Fatores genéticos e hábitos de vida devem ser considerados.


Mocinhos:
Alimentos que previnem a osteoporose: 
- Leite e derivados (queijo, manteiga, iogurtes);
- Verduras escuras (espinafre, brócolis, escarola);
- Sardinhas e ostras;
- Cereais.



Vilões:
Alimentos que roubam o cálcio dos ossos:
- Sal;
- Café;
- Álcool;
- Refrigerante de cola.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

27 de agosto, dia do Psicólogo!


Parabenizo a todos os profissionais psicólogos pelo seu dia!
Por ajudar a enfrentar os medos... 
Por escutar as dúvidas e receios... 
Por não julgar e ouvir as neuroses... 
Por mostrar uma maneira diferente de enxergar os problemas... 
Por ajudar a encontrar um caminho para a realização pessoal... 
Por injetar o otimismo na vida.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Conheça os prós e contras de cada posição para dormir

A melhor posição é a de lado, mas as outras podem ser corrigidas.

Poucos hábitos são tão eficientes para melhorar a saúde do que dormir: fortalece a memória, ajuda a controlar a hipertensão e o diabetes, diminui riscos de doenças cardiovasculares e até mesmo previne a obesidade e a depressão! Mas para conseguir todos esses benefícios, só tendo uma noite muito bem dormida. E um dos fatores que podem estragar tudo isso é a posição em que deitamos. "Para podermos descansar e relaxar a musculatura, precisamos de suporte adequado para não torcer ou tensionar as articulações", comenta o ortopedista Cássio Trevizani, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). "Ao dormir em uma posição não adequada, a pessoa pode acordar com dores nos músculos, membros, músculos ou na cabeça, além da sensação de sono não profundo", completa o especialista.

Ficou preocupado com a forma como você dorme? Para você saber se está errando ou acertando 
nessa hora, desvendamos as principais posições para dormir e indicamos como deixá-las melhores 
ou até mesmo a aprender a mudar e adotar uma forma mais saudável na hora do sono!


Dormir de lado:
Se você costuma deitar-se completamente de lado, parabéns! Essa é considerada a melhor posição para dormir. Você sabe por quê? "A questão é que ao se deitar de lado, você consegue manter a coluna mais alinhada", ensina o ortopedista Trevizani. Além disso, é uma posição que permite que tanto a cabeça quanto os pés fiquem da altura do coração, o que facilita muito a circulação, fazendo com que o corpo funcione normalmente durante o período em que você está dormindo.

Como melhorar a posição de lado:
Porém, não adianta apenas ficar deitado do jeito certo, alguns ajustes são necessários. Primeiro, o travesseiro: "o ideal é que ele tenha a altura do ombro, para a cabeça não ficar inclinada", estabelece o ortopedista Podgaeti. "Colocar um travesseiro entre os joelhos também é bom, porque um joelho não bate no outro e assim eles ficam alinhados ao tronco", conclui o especialista.

A coluna também é um ponto a se ter atenção: tente respeitar as curvas naturais dessa estrutura, nada de tentar ficar retinho! Manter as pernas levemente flexionadas e o quadril relaxado também são ótimas pedidas para não forçar o nervo ciático. Quanto aos braços, nada de colocá-los para cima. "Dormir com o braço esticado em cima da cabeça pode fazê-lo acordar com dor no ombro, bursite ou tendinite... Isso é um reflexo de um travesseiro muito baixo", reflete Podgaeti.


Dormir de barriga para cima:
Essa não é a posição mais indicada, mas também não é de todo ruim para o corpo. O lado bom é que as articulações conseguem relaxar de forma satisfatória, impedindo torções e dores. Porém, a coluna não fica perfeita. Você acaba retificando seu corpo, e o melhor jeito de manter as curvas da coluna perfeita é deitando de lado. Outra questão é a maior chance de problemas como a apneia ou ronco aparecerem em quem se deita nesta posição. A língua vai para trás, atrapalhando a respiração.


Como melhorar a posição de barriga para cima:
Uma das formas de garantir que você durma melhor de barriga para cima é com o travesseiro. Ao contrário da posição de lado, em que ele fica mais alto, ao deitar-se virado para coma ele deve ser bem baixinho. "Assim, evita-se uma tensão na musculatura cervical", explica Trevizani. Uma forma de garantir um relaxamento das pernas é colocar um travesseiro embaixo dos joelhos, o que permite que eles fiquem menos estendidos, relaxando os músculos da lombar e das coxas.

Já os braços, ao deitar-se de barriga para cima, devem ficar ao longo do corpo, ou com as mãos pousadas levemente sobre o abdômen. Sem por força, é claro, ou você acabará prejudicando a respiração. "Não é indicado colocar os braços para o alto, pois acaba ficando desconfortável ao longo da noite", friza o especialista.

Dormir de bruços:
Se dormir de barriga para cima é aceitável, dormir de bruços é completamente contraindicado! Além de deixar o corpo reto, da mesma forma que a primeira posição, ainda tem o agravante do pescoço. Ao deitar de lado, você precisa se virar para respirar, torcendo o pescoço cerca de 90º. Quando você coloca um travesseiro, então, além de torcer, você o hiperestende, causando dores cervicais". 

Infelizmente, no caso dessa posição, não há muito o que resolver. Mesmo que muitas pessoas estejam adaptadas a essa posição e se sintam confortáveis, podem ocorrer problemas de cervicalgia, dor nos ombros, bursite, tendinite e até dor nas costas.

E se mudo de posição ao longo da noite?
Infelizmente, só dá para controlar nossa posição antes de adormecer, depois disso, é normal que nosso corpo busque adaptações para ficar mais confortável, e nós acabemos nos movimentando um pouco. Isso é normal, então o que você pode fazer é sempre começar seu sono numa melhor posição, o resto não dá pra controlar.


Porém, se você se mexe até demais, pode ser indicativo de outros problemas de sono. Quem se vira muito na cama a noite precisa verificar se não há alteração no sono, que pode gerar agitamento. Para isso existem tratamentos específicos e é importante procurar um especialista em sono.

Dá para mudar a posição em que eu durmo?
Outro problema é tentar mudar uma posição a qual seu corpo já está tão acostumado. Mesmo os pequenos ajustes nas posições normais podem ser incômodos. Tudo é uma questão de treino e de insistência. No começo sem dúvida você acaba voltando a posição ruim sozinho mesmo, mas com o tempo o corpo vai ficando cada vez mais na posição ideal e vai se acostumando. Pode ser um processo cansativo, mas vale a pena tentar melhorar, para garantir um sono mais leve e reparador, que vai inclusive recuperar você de todo esse esforço!


Fonte: http://yahoo.minhavida.com.br/bem-estar/galerias/16733-conheca-os-pros-e-contras-de-cada-posicao-para-dormir - Yahoo Beleza e Saúde - 26/08/2013

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Congresso mantém vetos de Dilma a Ato Médico e mais 3 projetos

Apuração parcial do Senado assegurou pontos defendidos pelo Planalto. 

A Secretaria-Geral da mesa diretora do Senado informou à 0h23 desta quarta-feira (21) que os senadores mantiveram os vetos da presidente Dilma Rousseff aos projetos do Ato Médico, do Fundo de Participação dos Estados (FPE), da cesta básica e da MP do Pronatec e Prouni. A apuração dos votos terminou às 2h30. 
Ao todo, nos quatro projetos, a presidente havia vetado 42 trechos. Com a decisão do Congresso os vetos nos 42 trechos foram mantidos, de acordo com a Secretaria-Geral do Senado.

Segundo o líder do PT na Câmara, deputado José Guimarães (CE), a apuração parcial do Centro de Informática e Processamento de Dados do Senado Federal (Prodasen) apontou que apenas 38 senadores votaram pela derrubada do veto ao projeto que retira da União a obrigatoriedade de compensar estados e municípios pelo dinheiro do FPE retido devido a desonerações fiscais. Ainda conforme o deputado cearense, 27 senadores votaram pela manutenção do veto ao FPE e outros cinco se abstiveram.

No Senado, eram necessários ao menos 41 votos para derrubar o veto da presidente Dilma à proposta. Ainda de acordo com o líder petista, 40 senadores votaram pela manutenção dos vetos da chefe do Executivo à Lei do Ato Médico. Outros 30 senadores se posicionaram a favor da derrubada dos 10 trechos vetados por Dilma.

Desses vetos, 9 ocorreram em um único artigo, que tratava das atividades exclusivas aos médicos. O ponto mais polêmico foi o veto que acabava com a determinação de que somente médicos poderiam fazer diagnósticos e prescrever tratamentos de saúde. Também havia no projeto original - que foi vetado pela presidente da República - dispositivo que tornava restrita a médicos a realização de Acupuntura e a indicação de procedimento ortopédico temporário.

Para derrubar os vetos presidenciais era necessário que ao menos 41 senadores e 257 deputados votassem a favor. Além disso, se a Câmara ou o Senado avalizassem a manutenção dos vetos, já ficaria valendo a decisão do Executivo, independentemente do resultado obtido na outra casa legislativa.

A apreciação dos 42 pontos rejeitados por Dilma nos 4 projetos aprovados por deputados e senadores foi concluída às 21h44 desta terça (20), pouco menos de duas horas após o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), autorizar o início da votação.

O resultado final só foi conhecido nesta quarta em razão de os votos terem sido preenchidos manualmente. Ao final da sessão do Congresso, as cédulas depositadas em 9 urnas foram enviadas ao Centro de Informática e Processamento de Dados do Senado Federal (Prodasen) para serem digitalizadas e processadas.

Segundo Renan Calheiros, que acumula a presidência do Senado com o comando do Congresso, 458 deputados e 70 senadores depositaram seus votos nas 9 urnas distribuídas no plenário da Câmara. Em meio à votação, o senador de Alagoas havia solicitado que os partidos com representação no Congresso indicassem nomes para integrar a comissão que iria acompanhar a contagem dos votos.

Nova regra:
A sessão  desta terça do Congresso foi a primeira destinada à votação de vetos presidenciais sob as novas regras de apreciação das matérias rejeitadas pela chefe do Executivo.

Vetos feitos a partir de 1º de julho passam a trancar a pauta do Congresso 30 dias após serem protocolados. Os congressistas pretendem apreciar mensalmente os vetos presidenciais, sempre na terceira semana do mês.

Cesta básica e Pronatec:
No projeto sobre educação, o veto de Dilma impedia que instituições municipais participassem do Programa Universidade para Todos (ProUni) e que profissionais de educação do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) tivessem formação obrigatória sobre deficiência e acessibilidade no ambiente educacional.

Já o projeto da desoneração da cesta básica concentrou o maior número de vetos da presidente da República: 29 pontos vetados. Os trechos rejeitados por Dilma garantiam a redução tributária de alguns itens da cesta. Entre os pontos vetados e analisados pelos parlamentares estão a desoneração do camarão, de biscoitos e do gás de cozinha.

Virada do governo:
A primeira rodada de apreciação dos vetos presidenciais sob a nova regra do Congresso foi antecedida de uma série de reuniões, manifestações e até mesmo a invasão do plenário da Câmara. Ao londo do dia, diante dos sinais de que os congressistas poderiam derrubar os vetos da presidente ao projeto do FPE, os líderes do governo na Câmara e no Senado chegaram a demonstrar resignação com a eventual derrota do Planalto.

Considerando quase irreversível a derrubada dos vetos às regras de repasse de recursos aos estados, o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), que lidera os partidos governistas na Câmara, já falava em recorrer à Justiça para evitar que a União tivesse de bancar a compensação das desonerações fiscais.
"Dos vetos que estão aí, a fragilidade maior está na derrubada do veto do FPE. Se isso ocorrer, o governo já deixou claro que vai haver judicialização. Na nossa opinião, institucionalmente, não cabe ao Congresso legislar sobre essa matéria", advertia Chinaglia.

Ao confirmar que o Planalto havia conseguido manter os vetos aos 2 projetos polêmicos no Senado, o líder do PT, José Guimarães, celebrou o resultado. Ele, contudo, reconheceu que o resultado desses 2 vetos deve ser desfavorável aos interesses do Executivo entre os deputados federais.
"É um resultado positivo [a votação no Senado]. O governo atuou bem no Senado. Os senadores estão de parabéns. Agora, vamos aguardar o resultado da Câmara", disse ao G1 o deputado petista.

Fonte: